Lisbon Público, May 9, 2004

From The Elvis Costello Wiki
Jump to: navigation, search
- Bibliography -
1975767778798081
8283848586878889
9091929394959697
9899000102030405
0607080910111213
14151617 18 19 20 21


Lisbon Público

Portugal publications

Newspapers

Magazines


European publications

-

Nos Bastidores com Elvis Costello Depois do Concerto


Rui Baptista

translate

Quinze minutos depois de encerrar o memorável concerto no Coliseu do Porto, já vestido com a tradicional gabardina escura e com um chapéu de palha com uma fita roxa enfiado na cabeça, Elvis Costello confessava, num ataque inesperado de modéstia, que a noite não lhe tinha corrido bem. "O público foi caloroso mas eu não estava nos meus dias", disse ao PÚBLICO o autor de North, enquanto assinava um par de autógrafos nos bastidores do Coliseu e bebia aos golinhos um refrigerante "diet".

Esta severa auto-crítica não seria de certeza subscrita pelas centenas de pessoas que, na noite de sexta-feira, se despediram do cantor anglo-irlandês com uma longuíssima e muito ruidosa salva de palmas, obrigando-o a fazer três "encores". Do ponto de vista dos espectadores, o concerto de quase duas horas e meia dificilmente poderia ter corrido melhor. Elvis cantou alguns dos maiores êxitos dos seus já 30 anos de carreira, mostrou como vai ser "South", o seu novo álbum, deu espaço ao virtuosismo do teclista Steve Nieve (que o acompanha desde o tempo dos Attractions) e ainda teve fôlego e talento para pôr toda a gente a rir com algumas tiradas curtas mas ácidas.

Ocupem!

Nos bastidores, Elvis avançou com uma explicação para o seu desencanto pós-concerto: a ausência de público nas primeiras duas filas da plateia do Coliseu. "Olhava para baixo e só via um brilho metálico", confessou. Logo no início do concerto, o primeiro após mais de 20 anos de ausência dos palcos portugueses, tentou resolver o problema convidando as pessoas do fundo da plateia a sentarem-se nas cadeiras da frente. "Ocupem os lugares dos ricos", incentivou. Os espectadores não se fizeram rogados e durante um par de minutos foi uma correria para as filas da frente, enquanto o cantor atacava as primeiras notas de "You Turned to Me", de North, o seu último álbum.

Já se sabia que Elvis Costello é um notável escritor de canções, mas a noite de sexta-feira serviu para confirmar que é também um cantor bem acima da média. O concerto arrancou em tom nostálgico, com Elvis a atacar canções dos tempos em que ainda gravava em vinil: "Accidents", "45", "Home Truth", "Shot with Is Own Gun" e "This House" . Neste último tema, o cantor dispensou o microfone, mas a sua voz continuou a ouvir-se claramente em todo o Coliseu, poderosa, cristalina. Elvis haveria de repetir a "gracinha" muitas vezes ao longo da noite, numa demonstração de confiança nos seus recursos vocais sempre recebida com muitas palmas.

As canções de amores desencontrados de North, interpretadas com rigor e sobriedade, foram ouvidas num silêncio quase reverencial pelo público. Mas o momento mais impressionante aconteceu a seguir, quando o público se rendeu incondicionalmente às canções de "South", duas baladas em tom "folk" a fazerem lembrar Vam Morrison, mas com mais músculo e arestas. "Sob uma certa luz parecia-se com Elvis, sob outra luz parecia-se com Jesus", ironizou o cantor.

A partir daí o concerto ganhou novo balanço, com a recriação de alguns temas velhinhos como "Veronica", "The Delivery Man" ou "Detectives". Costello pegou na guitarra, Nieve alternou o piano com a "melodica" (um teclado portátil que se sopra como uma trompete), e quem fechasse os olhos tinha a sensação de que estava no palco uma banda completa de "rock and roll", e não apenas dois homens de meia-idade, desajeitados mas talentosos. Já de cavaquinho (ukelele) ao peito, Elvis tocou a bela balada celta "Scarlet Tide", da banda sonora do filme "Cold Mountain", que foi derrotada na corrida para os Óscares de Melhor Canção Original por um tema dos "Senhor dos Anéis". "Bloody hobbits", gracejou o cantor.

Marcado pela versatilidade e pelo bom gosto, o concerto acabou por ter uma série de falsos finais, com Elvis a regressar ao palco a pedido do público. E foi numa dessas ocasiões que tocou "Peace", dedicada "àquele senhor de Washington que tem um lugar reservado no Inferno". No final, só faltou que alguém viesse ao microfone dizer a frase com que encerravam os concertos do outro Elvis, o Presley, a quem Costello "roubou" o primeiro nome: "Elvis has left the building". Esta noite, depois da noite de ontem em Lisboa, há mais na Figueira da Foz.

FIGUEIRA DA FOZ Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, hoje às 22 horas. De 15 a 20 euros.

-

Público, May 9, 2004


Rui Baptista reviews Elvis Costello and Steve Nieve, on Friday, May 7, 2004, at Coliseu do Porto, Porto, Portugal;


-



Back to top

External links