Musica & Som, January 1980

From The Elvis Costello Wiki
Jump to: navigation, search
- Bibliography -
1975767778798081
8283848586878889
9091929394959697
9899000102030405
0607080910111213
14151617 18 19 20 21


Musica & Som

Portugal publications

Newspapers

Magazines


European publications

-

Costella a moda do Restelo


Nuno Infante do Carmo

Proofreading for scan errors needed.

1. SEGUNDA-FEIRA

Por impedimentos que não vêm agora aqui a propósito, mas que seria interessante um destes dias serem explicitados, o habitual Pavilhão de Cascais foi novamente não utilizado e, em seu lugar, apareceu o Pavilhão de Os Belenenses como cenário dos dois concertos lisboetas de Elvis Costello and The Attractions.

E a impressão que logo ressalta desta sala é que as condições acústicas não são nada famosas. Se Cascais não é bom, aqui é pior. No primeiro dia em que Costello actuou, e no qual estive presente, a casa estava composta mas com clareias — três mil e quinhentas a quatro mil pessoas. (Para o segundo show estavam mais bilhetes vendidos embora não igualando o número atingido no Porto com assistencia computada, e sempre utilizando informações de alguns membros da organização, em seis mil pessoas).

2. UHF A CORES

Abriram os UHF com uma exibição mais discernida e mais pesada do que a anterior que lhe viramos em Cascais encetando o show dos Dr. Feelgood.

Também a presença do grupo em palco melhorou em relação a Cascais conquanto o vocalista mostrasse de novo não ser nenhum primor a mexer-se lá em cima das tábuas.

3. INTERVALO

P'ra variar foi longo.

4. UM POR UM

Mal a função começou a tónica estava dada: o som era mesmo bera — bateria, órgão, baixo, guitarra e voz formavam uma amálgama da qual ninguém se safava com nitidez.

Uma banda voltada para o heavy-metal que se saiu muito bem com o som compacto fornecido pela aparelhagem.

Steve Naive no seu pequeno órgão era o mais espectacular fazendo por várias vezes perigar o equilibrio do instrumento em virtude da sua prestação deveras vibrante.

Pete Thomas, de quem poeticamente poderiamos dizer "qual Popeye em plena possança espinafrosa," batia desalmado mirando amiúde o teclista que the fornecia apoio tácito com patadas nas teclas.

Bruce Thomas, o baixista, era o mais compenetrado. Só quando as coisas aqueceram deliberadamente, ele se livrou do casaco e, ao ritmo da gravata pendular, mastrucharcou com veemência o braço e as cordas do seu instrumento.

Por fim Elvis Costello. Ao vivo ele é ainda mais pequeno e fininho do que aparenta ser. Calmo e pacato. Não se limita a debitar as canções. Interpreta-as. E assim nos transporta a gravidade quando, inflamado por um projector vermelho — ácido, verbera coisas que ninguém compreende — qualidade do som oblige — mas sente sérias, ou quando, nalgumas passagens mais reggae, ensaia um pachorrento trinado corporal bem cadenciado, ao ritmo morno da música — e sorri. Deu ideia de querer aproveitar o feedback na guitarra mas foi frequentemente traído porque ele desatinava para um som feedbáquico agudo e impossível.

5. GRAFICO

Se quisessemos fazer um grafico deste concerto, considerando os momentos de maior ou menor vibra-cao, teriamos uma fase inicial a todo o gas logo seguida de uma certa apatia que se foi diluindo medida que os temas mais conheci-dos foram chegando: "I Don't Want to Go to Chelsea," "Accidents Will Happen," "Oliver's Army," um tema de Dave Edmunds cujo titulo nao me lembro, "Green Shirt" e uma longa e tarabiscotante versao de "Watching The Detectives." Nunca se perdeu contudo a ideia de que Elvis Costello e The Attractions nao estavam a funcionar em pleno. "0 outro concerto foi muito melhor" dizia. perto de mim, alguem que tambern estivera presente no Porto.

6. CRETINO MANAGERENTE

Na vespera tinha existido o primeiro sinal: nao haveria entrevistas para ninguém. O que Elvis Costello tinha para dizer estava nas cancoes. Fora disso nao havia nada para ninguém. Mas o indomito colaborador Trinda-de Santos queria sacar a entrevista que completava esta nossa reporta-gem. E, antes dos extras, arrancou: ou havia entrevista ou merda. Houve merda.

E que o manager do Costello nao se foi em mais aquelas e, quando T. Santos se arrimava a umas grades cuja ultrapassagem permitiria ficar mais perto de Costello, resolveu pontapear, agredir com as patas dianteiras e destruir uma cassette ao meu colega.

Segundo consta, quando o policia o foi visitar ao hotel no dia seguinte, ja estava mais calmo.

O cretino managerente.

-

Musica & Som, No. 52, January, February, March 1980


Nuno Infante do Carmo reports on Elvis Costello & The Attractions and opening act UHF, December 1979, Lisbon, Portugal.

Images

1980-01-00 Musica & Som page 66.jpg1980-01-00 Musica & Som page 67.jpg
Pages 66 and 67.


1980-01-00 Musica & Som photo 01 fpr.jpg

1980-01-00 Musica & Som photo 02 fpr.jpg
Photos by Fernando Peres Rodrigues.


1980-01-00 Musica & Som cover.jpg 1980-01-00 Musica & Som page 03.jpg 1980-01-00 Musica & Som page 68.jpg
Cover, table of contents, and page 68.


1980-01-00 Musica & Som photo 03.jpg

1980-01-00 Musica & Som photo 04.jpg
Photos from rocknoliceu.blogspot.com.


-



Back to top

External links